Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Polícia Civil cumpre mandados em quatro cidades goianas. Delegado contou que grupo criminoso agia desde 2021 e aplicava golpes em todo o país, sobretudo em São Paulo.

 

 

Uma operação da Polícia Civil cumpre 22 mandados de prisão, nesta terça-feira (30), contra suspeitos de participar do golpe do novo número. A Polícia Civil informou que os envolvidos têm bases de operação em quatro cidades goianas e fizeram vítimas em todo o país. Ao total, o grupo teria causado prejuízo de R$ 135 mil a três vítimas, sendo que uma delas perdeu R$ 115 mil.

 

Os nomes dos suspeitos não foram divulgados pela polícia.

 

O delegado William Bretz, que coordena a operação em Goiás, contou que apenas uma das vítimas transferiu R$ 115 mil para os suspeitos por meio de PIX (veja abaixo como funciona o golpe). Foram cinco transações para duas pessoas diferentes, que depois pulverizaram o dinheiro para mais criminosos:

  1. R$ 37,5 mil;
  2. R$ 22,9 mil;
  3. R$ 38,9 mil ;
  4. R$ 8,9 mil;
  5. R$ 7 mil.

 

Essa vítima é moradora de São Paulo. O delegado relatou que o grupo entrou em contato por Whatsapp se passando pelo filho dela, dizendo que estava com um novo número e tendo problemas para fazer PIX. O alto valor era para fazer pagamentos relativos a uma surpresa que seria feita a um parente.

A Polícia Civil cumpre mandados de prisão e também de busca em apreensão em Goiânia, Senador Canedo, Bonfinópolis e Goianira.  Até as 9h, foram presos seis homens e duas mulheres.

A corporação informou que o delegado William Bretz concederá entrevista às 11h desta terça-feira para informar detalhes dos casos.

Segundo o delegado, o grupo aplica golpes do novo número desde o início de 2021 e fez vítimas em todo o país, sobretudo em São Paulo, estado em que eles preferiam atuar.

“A polícia identificou que o grupo causou prejuízo inicial de R$ 135 mil em três vítimas. As investigações, que duram um ano, identificaram as pessoas que receberam o dinheiro e membros da organização criminosa”, explicou William Bretz.

A investigação continua para identificar novas vítimas e realizar mais operações no futuro. O delegado contou que as informações repassadas pelas vítimas ajudam a polícia a identificar quem recebeu o dinheiro e, assim, chegar aos chefes da organização criminosa.

Como funciona o golpe

 

A Polícia Civil explicou que o grupo criava um novo número de celular para falar com amigos e parentes da vítima, dizendo que mudou de número. Para ganhar confiança de um amigo ou parente, o grupo usava a mesma foto que a pessoa usa no perfil do aplicativo.

Assim, os golpistas começavam a alegar que estavam com problemas para fazer transferências por PIX para pagar contas ou pessoas e pediam ajuda nessas transações, prometendo pagar depois. Mas quando a vítima percebia o golpe, já era tarde.

Anúncios

Recentes