Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp

Portaria foi publicada pela Corregedoria da Polícia Civil do Tocantins. Operação da PF foi deflagrada em outubro do ano passado para apurar obstrução em investigações policiais.

 

Seis delegados e quatro agentes da Polícia Civil, afastados durante uma operação deflagrada em outubro do ano passado e que investigou interferência em investigações ,ficarão por mais 60 dias longe dos cargos. Foi o que determinou uma portaria publicada pela Corregedoria da Polícia Civil nesta segunda-feira (18).

 

O afastamento veio à tona durante uma operação da Polícia Federal para desarticular uma suposta organização criminosa que atuaria obstruindo investigações e vazando informações aos investigados.

Na época, o então governador Mauro Carlesse também precisou se afastar do cargo por 180 dias após determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). O político era o principal investigado. Carlesse renunciou ao cargo em março deste ano.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública, por meio da Corregedoria-Geral informou que, uma vez findado o período de afastamento determinado pela Justiça, de 180 dias, a Corregedoria entendeu ser pertinente a prorrogação do afastamento para a conveniência da instrução dos processos administrativos e da sindicância que foi aberta pela Corregedoria.

Não há informações sobre a participação de cada investigado e quais teriam sido as investigações prejudicadas pela interferência do grupo criminoso.

Apesar disto, a Polícia Federal informou que “o governo estadual removeu indevidamente delegados responsáveis por inquéritos de combate à corrupção conforme as apurações avançavam e mencionavam expressamente membros da cúpula do estado”.

Além disso, o Ministério Público Federal acusou Carlesse de encomendar ao menos um flagrante falso de tráfico de drogas,entre outros crimes. A informação consta em um trecho da denúncia que foi lida pelo ministro Mauro Campbell durante a sessão que confirmou o afastamento de Mauro Carlesse (PSL) do cargo.

Mauro Campbell lembrou mudanças feitas pelo governo no Manual de Procedimentos da Polícia Civil, num episódio que ficou conhecido como ´Decreto da Mordaça´.

Entenda o afastamento

 

O afastamento do governador e diversos agentes públicos foi determinado monocraticamente pelo ministro Mauro Luiz Campbell e confirmado pela corte do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

  • agamento de propina relacionada ao plano de saúde dos servidores estaduais;
  • obstrução de investigações;
  • incorporação de recursos públicos desviados.

 

Conforme apuração da TV Anhanguera, a investigação, que teve início há cerca de dois anos, estima que cerca de R$ 44 milhões tenham sido pagos a título de vantagens indevidas. Os valores podem ser maiores, já que a participação de outras empresas no esquema ainda é investigada.

Na manhã desta quarta-feira (20) a Polícia Federal fez buscas na casa de Carlesse e na sede do governo do Tocantins. Foram apreendidos dois veículos do governador, levados para a sede da PF em Palmas.

Segundo a PF, as buscas desta quarta-feira fizeram parte de duas operações complementares, que investigam:

Anúncios

Recentes