Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

As ações celebram a data e destacam  a importância de se discutir o tema Segurança do Paciente.

 

 

No dia 1º de abril é celebrado o Dia Nacional da Segurança do Paciente. Para lembrar a data, o Núcleo de Segurança do Paciente, do Hospital Geral de Palmas (HGP), realizará  o Dia “D” de Segurança do Paciente, na unidade. As ações  acontecerão durante todo o mês de abril, com maior intensificação nesta quinta-feira, 31 e no dia 1º de abril. Colaboram com as ações, a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), o Núcleo de Educação Permanente (NEP), o Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp/ULBRA), a Universidade Federal do Tocantins (UFT) e o Centro Universitário Itop – (Unitop).

De acordo com a gerente de riscos, Giselle Pinheiro, “estamos preparando uma grande ação interinstitucional em prol da promoção de ações educativas sobre a necessidade da assistência voltada para a prevenção de falhas e redução dos eventos adversos. A data lembra a importância de se discutir o tema, o Núcleo de Segurança do Paciente do HGP. O Núcleo de Segurança do Paciente do HGP, realizará um grande mutirão de treinamento sobre mobilização precoce do paciente no leito, com o objetivo de reduzir lesões por pressão em pacientes internados em instituições hospitalares. O mutirão será promovido em parceria das coordenações e profissionais de enfermagem e fisioterapia da Gerência de Vigilância de Riscos do HGP”, detalhou.

No HGP, a Gerência de Vigilância de Riscos, segue com diversas programações durante todo o ano, com qualificação e treinamento constantes dos profissionais. O intuito é aumentar cada vez mais a segurança do paciente.

Para o diretor geral do HGP, Leonardo Toledo “essa ação visa reduzir o número de lesões por pressão e humanizar cada vez mais o tratamento dos pacientes. E sabemos a importância de orientar nossos profissionais no ambiente hospitalar” afirmou.

Dados

Cerca de 830 brasileiros morrem diariamente em hospitais públicos e privados por falhas que poderiam ser evitadas, de acordo com o Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar no Brasil. O levantamento é realizado pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) e a Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Estes dados representam três mortes a cada cinco minutos, o que coloca os eventos adversos como segunda causa de morte mais comum no Brasil.

Anúncios

Recentes