Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp

Obra conta com reformas nas celas, banho de sol, alojamento para servidores, enfermaria, construção de alojamento feminino, refeitório, parlatório, dentre outros.

 

 

Com foco na garantia de direitos de pessoas privadas de liberdade, a Unidade Penal de Colmeia, administrada pela Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), está passando por reforma e construção de novos espaços utilizando mão de obra de custodiados.

A obra visa aumentar e adequar os espaços para os servidores, além de proporcionar trabalho e melhor execução da pena às pessoas privadas de liberdade.

A obra também conta com apoio de instituições parceiras como as prefeituras dos municípios de Colmeia, Itaporã, Pequizeiro, Goianorte, Poder Judiciário, por meio da Vara Criminal de Colmeia, Ordem dos Advogados do Brasil e empresários com reformas, ampliação e pintura em todas as celas, banheiros, espaço para banho de sol dos custodiados, alojamento masculino para servidores, enfermaria, e toda a área administrativa.

A Unidade contará também com a construção de alojamento feminino, refeitório para os servidores, sala de aula, parlatório, cela com capacidade para oito custodiados e construção dos muros.

Para o chefe da Unidade Penal de Colmeia, Carlos Venner, a otimização e aumento dos espaços da Unidade é uma conquista tanto para os servidores quanto para os presos que estão trabalhando. “Além de proporcionar ressocialização e diminuir a pena dos custodiados participantes da obra, a construção contribuirá para a segurança e bem-estar dos profissionais, favorecendo até mesmo a aproximação entre os colegas”, afirmou.

Mão de obra de custodiados

A redução da pena pelo trabalho é garantida na Lei de Execução Penal (LEP), e esse é um dos motivos pelo qual o custodiado J.B.S se sente motivado a participar das atividades desenvolvidas na Unidade. “É muito importante poder trabalhar aqui na Unidade Penal com a construção do muro e ajudar na pintura, principalmente porque contribui para a diminuição da minha pena”, afirmou.

Fábrica de artefatos de concreto

A Unidade já conta com uma fábrica de artefatos de concreto onde os custodiados produzem blocos e artefatos de concreto que são utilizados tanto internamente como para comercialização ou repasse às instituições que firmem parcerias incentivando o trabalho da pessoa presa.

(Edição: Márcia Rosa/Governo do Tocantins)

Por Tainara Saraiva/Governo do Tocantins – 01/11/2022

Anúncios

Recentes