Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp

A utilização da mão de obra de custodiados têm contribuído para a redução da pena, além de auxiliar na melhoria de órgãos e instituições.

 

Com o intuito de garantir a ressocialização de custodiados do Sistema Penal tocantinense, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), disponibilizou mão de obra de dois privados de liberdade da Unidade Penal de Natividade para a realização de pintura nos muros da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) do município.

Para o chefe da Unidade Penal de Natividade, Guilherme Bittencourt, “além de dar visibilidade às ações da Polícia Penal junto à sociedade, a atividade laboral é essencial na função de ressocialização do preso e também para aproximar o Sistema Penal da população, mostrar que estamos atuando para o bem comum e à serviço dos cidadãos”, frisou.

O custodiado que participou da ação, Z.M. afirma que o trabalho prestado à comunidade foi muito importante por desmistificar ideias e opiniões sobre a pessoa presa. “Isso nos aproxima mais da sociedade, mostrando a gente com outros olhos. Para o preso, é bom demais, pois realizando essas atividades externas, podemos ter a remição da pena e também aprimorar o trabalho para quando sairmos da prisão”, disse o custodiado.

Há mais de um ano, o Sistema Penal do Tocantins utiliza a mão de obra de custodiados para reformas, ampliação, manutenção e conservação

de órgãos públicos, instituições, o que tem contribuído de forma positiva para a ressocialização e redução de pena para os presos, além da reinserção da pessoa privada de liberdade junto à sociedade.

(Edição: Lauane dos Santos / Governo do Tocantins)

 

Anúncios

Recentes